retinopatia diabética

Tratamento para retinopatia diabética

A gravidade e o tipo de retinopatia diabética do paciente são os fatores determinantes para a forma de tratamento da doença, que deve sempre ser orientada por um oftalmologista.

Nos casos da não proliferativa, estágio menos grave da complicação ocular, o médico pode optar apenas por vigiar a evolução do problema sem fazer qualquer tipo de tratamento específico. Muitas vezes pode ser necessário intervenção com laser ou injeções.

Já nos casos da proliferativa, geralmente, é necessário fazer cirurgia, tratamentos com laser ou injeções intra vítreas para eliminar os novos vasos sanguíneos que estão se formando no olho ou para parar um sangramento, caso esteja acontecendo.

É extremamente necessário que o paciente também mantenha o tratamento adequado da diabetes para evitar o agravamento da retinopatia.

Indicação de tratamento

O tratamento é indicado em três principais casos: se a doença atingiu o centro ou mácula da retina; se causou o surgimento de novos vasos sanguíneos anormais; ou se danificou severamente a visão periférica ou lateral.

Quando diagnosticada, a doença deve ser tratada com seriedade para que não aconteçam danos permanentes à visão.

Tipos de tratamento para retinopatía diabética

Os tratamentos disponíveis para esta complicação visual incluem medicamentos que podem ajudar a retardar a perda de visão causada por esta complicação, além de cirurgia e tratamentos com laser.

Medicamentos: Em alguns casos, injeções de um medicamento anti-VEGF (que contém um fator de crescimento vascular endotelial) ou o uso de um medicamento anti-inflamatório podem ajudar a encolher os novos vasos sanguíneos que se desenvolvem com a doença.

Também é possível aplicar esteróides diretamente no olho ou fazer um implante no olho, como o Ozurdex, que pode liberar pequenas quantidades de corticosteróides ao longo do tempo para suavizar os danos causados na retina.

Cirurgia: A remoção cirúrgica do gel vítreo, procedimento chamado de vitrectomia, também pode ajudar a melhorar a visão se a retina não tiver sido gravemente lesionada.

Geralmente, esse procedimento é feito quando há um sangramento ou hemorragia vítrea ou um descolamento da retina resultante da formação de um tecido cicatricial grave.

Tratamento a laser: Chamado também de fotocoagulação, é muito eficaz na prevenção da perda de visão e, em alguns casos, pode até reverter a perda da visão se for feito antes da retina ser gravemente danificada.

Nesse procedimento, a luz de laser emitida é absorvida pelos pigmentos do fundo de olho. Com isso, as áreas da retina afetadas serão cauterizadas e novos sangramentos serão impedidos, assim como o progresso da doença.

O tratamento leva à cura?

A doença não tem cura, pois os danos já causados não podem ser totalmente reparados. Porém, é possível tomar os cuidados indicados pelo médico oftalmologista e fazer o tratamento adequado para evitar e retardar a perda de visão futura.

Ao diagnosticar a retinopatia diabética no início, evitam-se os danos mais graves, daí a importância de realizar exames oftalmológicos regularmente.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oftalmologista em Curitiba!

Comentários
Dr. Fabio Sabbag

Posted by Dr. Fabio Sabbag